07/08/2017 - Cultura

 Iniciativa inédita no Sudeste do Pará discute o fortalecimento da cultura na região

 Workshop reuniu participantes para reflexão sobre cultura



Na última quinta-feira (3), a Casa da Cultura de Canaã dos Carajás foi protagonista de uma iniciativa inédita, realizada no Sudeste do Pará. O workshop Gestão de Espaços Culturais e Patrimônio Cultural Brasileiro, conduzido pelo Instituto Inhotim, atraiu mais de 30 participantes de equipes técnicas das Secretarias de Cultura, representantes de instituições e pessoas físicas atuantes no setor cultural de Canaã dos Carajás, Parauapebas, Marabá, Eldorado dos Carajás e Rondon do Pará.
 
Voltado ao fortalecimento e à capacitação dos representantes culturais da região, o encontro envolveu os participantes em uma discussão sobre cultura e estimulou a construção de uma rede local que contribua para o desenvolvimento da região neste setor.

De acordo com o diretor executivo do Instituto Inhotim, Antônio Grassi, é fundamental que o Brasil consiga se ver como um país de dimensão continental e perceba seu interior como ambientes culturalmente muito diversos e ricos. “A região Norte é um exemplo disso e se mostra muito potente na área cultural. Nossa presença aqui, neste encontro, tem muito a ver comisso. O Inhotim, por exemplo, está também localizado em uma cidade do interior, e é um exemplo de que é possível fazer, fora dos grandes centros, ações culturais relevantes. Precisamos enxergar nestes lugares onde, a princípio, não aconteceria nada, a possibilidade concreta de se realizar coisas memoráveis e de fazer prosperar a economia criativa. Em Canaã, como em outras cidades do interior do Pará, está latente a questão cultural, que só precisa de um estímulo para deslanchar”, comentou.
 
A gerente de Educação do Instituto Inhotim, Yara Castanheira, destacou a importância de se preservar os patrimônios e identidades culturais. “Falar desses temas é falar de coisas que não são imutáveis, mas que precisam ser preservadas e mantidas, sem necessariamente ficarem estáticas. Nesse sentido, eu acredito que essas questões culturais só conseguem se desenvolver e ganhar um movimento concreto a partir do incentivo das empresas, fundações, indivíduos, poder público e várias outras entidades. Isso já faz parte da agenda de empresas e instituições modernas que querem, de fato, tornar suas ações consistentes. Esse tipo de movimento é imprescindível. Sem ele, a cultura não anda”, afirmou.
 
Iniciativas de capacitação como este workshop criam um movimento favorável ao desenvolvimento da cultura na região, segundo a coordenadora do Centro Mulheres de Barro, Sandra Santos, que participou do encontro. “No meu caso, eu participo das capacitações desde as primeiras realizadas aqui no território, proporcionadas pela Vale e Fundação Vale. Daí em diante, meu horizonte se abriu para ver nessas formações, por menor que fossem, uma possibilidade de avançar para esse desenvolvimento cultural que eu comecei a enxergar. Graças a esse acúmulo de conhecimento, conseguimos constituir o espaço que hoje é o Centro Mulheres de Barro, em Parauapebas, que conta com o patrocínio da Vale”, explicou.
 
 
 
O workshop realizado no Sudeste do Pará foi uma iniciativa realizada pela Fundação Vale, decorrente de uma contrapartida do nosso patrocínio ao Instituto Inhotim. A parceria entre a Vale e a Fundação Vale está em linha com a nossa Política Cultural que orienta a realização de iniciativas voltadas para programações itinerantes pelas áreas de atuação ou de influência da nossa empresa.