Saúde

 Casa Saudável

 Trazendo novas tecnologias sociais para população

As comunidades de Vila Pindaré, Cocal, Agroplanalto, Vila União, Vila Concórdia, Roça Grande e Tucumã, no Maranhão, estão   redescobrindo a forma de se relacionar com a terra e com os elementos ao seu redor. Com a ajuda da Fundação Vale e do Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento (CPCD), as pessoas que vivem nesses locais estão aprendendo a construir com as próprias mãos uma comunidade melhor para se viver.
É o projeto chamado Casa Saudável que está estimulando a comunidade a pensar de forma diferente, trazendo novas técnicas e formando as pessoas para aproveitar os recursos existentes e a melhorar o seu dia a dia e qualidade de vida. O projeto prevê a discussão com a comunidade sobre um conjunto de tecnologias sociais que podem ser implementadas pelas 244 famílias atendidas.
 
O Projeto 
O projeto Casa Saudável tem como objetivo a implantação de tecnologias sociais de fácil replicação que visam melhorar as condições de saúde e de vida das famílias beneficiárias nas comunidades. As tecnologias sociais propostas são:
 
 

O Casa Saudável atua no Maranhão, nos seguintes municípios:
 

 

O projeto é muito bom! Gosto de participar... Conversei com muitas famílias sobre as mudanças que poderiam acontecer. Quando pintamos as caixas, usamos o que temos aqui na comunidade. Eu nunca imaginei que poderia usar terra para pintar!
 
 
 
 
 
- Silvaneide Silva Melo, Educadora SocialSilvaneide Silva Melo, Educadora Social
Povoado Roça Grande
 
 
 
  
 
Desafios
 
  
 
Alto Alegre do Pindaré, Açailândia, Buriticupu e São Pedro da Água Branca, assim como muitas cidades do interior, tem uma baixa percentagem de população atendida por saneamento básico. Boa parte das famílias não têm banheiro em casa, nem destinação apropriada para dejetos. Eles acabam sendo depositados ao ar livre e contaminam o solo. Algumas pessoas constroem fossas rudimentares, sem uma técnica adequada, que contribuem para a contaminação dos lençóis freáticos.
Apesar de a região ter um bom volume de chuvas, em certas épocas do ano, a estiagem é severa e castiga a comunidade. A população local não tem um método de coleta da água da chuva para aproveitamento doméstico. Para se ter ideia, se cada família conseguisse armazenar a água em uma caixa de 16 mil litros (como o proposto pelo projeto), a comunidade teria o suficiente para abastecer seu uso doméstico por oito meses.​

Uso de recursos existentes na região​

Pensando nisso, a Fundação Vale e o Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento se aproximaram da comunidade com a proposta de, em conjunto, identificar soluções locais para mudar a realidade dos moradores e promover a saúde. Assim começou a primeira etapa do projeto.
 
Foram organizadas oficinas de formação para preparar a comunidade local. Em cada uma delas, o grupo discutiu as técnicas necessárias para trazer essa mudança, como as instruções para a construir uma cisterna, um banheiro seco e outras melhorias.
Cada oficina dura três semanas. Ao final, são selecionados os participantes que mostraram maior aptidão para o trabalho. Eles descobrem como usar recursos locais e técnicas simples — como a tecnologia da taipa, que já era usada na região para construir banheiros — para melhorar a saúde e o bem-estar das famílias nas comunidades. A iniciativa também contribui para aprimorar o conhecimento adquirido nas oficinas e aumentar a empregabilidade e renda da comunidade.
 
Eu gostei muito das oficinas... Gosto de participar do projeto. As ideias que o projeto trouxe para a comunidade são grandes benefícios para nós. Estamos aprendendo, aos poucos, a ajudar outras famílias.
 - Tais do Nascimento da Silva, de 16 anos
Povoado Tucumã
 
 
 
 


 

 

Na segunda etapa do Projeto Casa Saudável, as famílias beneficiadas implementam, com apoio da equipe técnica, as estruturas e tecnologias sociais trabalhadas nas oficinas de formação. O banheiro seco, a cisterna com capacidade para 16 mil litros de água, a limpeza dos quintais e o preparo de uma horta no formato de mandala são algumas das ações desenvolvidas . Além disso, são realizadas pequenas reformas nas casas para, por exemplo, deixar a habitação mais arejada e aproveitar melhor a orientação solar.​
 
 
 
 
 
 
 
 
Pintamos formas bem bonitas para que as pessoas, quando acordarem de manhã, olhem para a cisterna e sintam-se felizes e mais dispostas. Uma forma de criar um novo jeito de ver o futuro: um lugar mais bonito e saudável. O projeto deu oportunidade da gente conversar mais na comunidade, escutar uns aos outros e se sentir bem com isso, pois o diálogo ajuda a pensar o que cada dia um pode fazer para melhorar. Fico feliz em saber que mais que mudar a aparência do lugar, estamos mudando o jeito de pensar.
    
- Milena Moraes Pereira, 16 anos
grupo de pintura​

​​
 
Permacultura
 
O projeto Casa Saudável tem, em sua essência, princípios éticos da permacultura. De maneira simplificada, eles são:
1) Repensar práticas que destroem a natureza. Ter cuidado com a terra, evitando agredir o solo com queimadas e lixo.
2) Cuidado com o outro. Relacionar-se em harmonia com as pessoas e preservar uma boa relação entre a comunidade e a terra.
3) Buscar o equilíbrio constante entre excedente e escassez. Ter uma postura sustentável. Produzir o suficiente para garantir o bem-estar das pessoas. E sempre descobrir maneiras de usufruir ao máximo os recursos naturais.
 

O projeto deu um novo sentido à juventude na nossa comunidade. Começamos a pensar em coisas interessantes, a achar que podemos melhorar nosso lugar. A pintura com tinta de terra, além de ser uma forma de deixar os espaços bonitos, permite cuidar do meio ambiente. Muita gente sabia que é possível pintar com terra, mas ninguém o fazia. E é isso que acho o mais interessante no projeto: estamos redesenhando nosso futuro, valorizando coisas importantes do passado e a sabedoria de cada um de nós.
 
- Gardênia da Silva, 17 anos
grupo de pintura​
 

 
Além de ser uma fonte de renda para as comunidades beneficiadas, a comercialização dos excedentes da produção de gêneros alimentícios contribui para a adoção de hábitos alimentares mais saudáveis. 
O homem deve estar em equilíbrio com a terra, não importa onde ele vive. Essa é a premissa fundamental da permacultura. E é essa filosofia que a Fundação Vale quer passar para a comunidade no projeto Casa Saudável, junto com as condições para se melhorar a vida no local com as próprias mãos.
 
Vale para as famílias da Vila Pindaré, Cocal, e para todos nós.​